XX Simpósio do Instituto Bairral – um marco

9 anos atrás - Simpósios

No início deste mês, o Instituto Bairral realizou o seu XX Simpósio com a temática central “Violência e Saúde Mental”. Trata-se de um marco na vida do Instituto, proporcionando dois simpósios anuais de reconhecida qualidade técnica e de organização.

Foram 690 presentes, sendo 103 médicos, 109 psicólogos, 118 profissionais de enfermagem de nível médio, 40 enfermeiros, 31 assistentes sociais, 15 terapeutas ocupacionais, 81 educadores, 135 estudantes e 58 profissionais de diversas áreas. Foram cinco palestras e um debate final.

A palestra inicial proferida pelo Prof. Dr. Daniel Martins de Barros trouxe como tema “Doença Mental e Violência – como se relacionam?” .  Seguiram-se as palestras “Existe crime epiléptico” – Prof. Dr. Renato Luiz Marchetti; “Abuso e Bullying – As conseqüências perversas da violência escondida” – Dr. Ivan Capelatto; “Transtorno de Estresse pós-traumático – A vida depois de um tsunami” – Profa. Dra. Adriana Fiszman; “Drogas – Podemos conter a epidemia?” – Profa. Dra. Sandra Scivoletto. Finalizando, tivemos todos os palestrantes realizando um debate denominado “Autópsia psicológica do Caso de Realengo”, mediado pelo Dr. José Gallucci Neto.

Ressaltamos a enorme repercussão manifestada através de e-mails e vários depoimentos de participantes. Contrariando a tradição, o XXI Simpósio programado para o próximo dia 19 de novembro, foi transferido para o primeiro semestre de 2012, em função das obras de reforma do nosso anfiteatro.

Dr. Ivan Ramos de Oliveira

Dr. Ivan Ramos de Oliveira – Diretor técnico do Instituto Bairral

Público presente no XX Simpósio

Público presente no XX Simpósio

Público presente no XX Simpósio

Público presente no XX Simpósio

Prof. Dr. Daniel Martins de Barros

Prof. Dr. Daniel Martins de Barros

XX Simpósio

José Alex Vicente (enfermeiros do Instituto Bairral), Prof. Dr. Renato Luiz Marchetti e Nivaldo José Caliman (diretor administrativo)

Debate: Autópsia psicológica do caso de Realengo

Debate: Autópsia psicológica do caso de Realengo