Quando o luto adoece o coração? Luto normal e patológico

3 anos atrás - Bastidores, Notícias, Relacionamento Institucional

No dia 30 de maio foi realizada mais uma atividade para os associados do Centro de Estudos Psiquiátricos Américo Bairral (Cepab), desta vez abordando um assunto de grande interesse e dificuldade quando se é confrontado com ele: o luto, a perda em si e todo o esforço para a reorganização interna. Houve inicialmente uma explanação teórica pelo Dr. Rafael Pereira, médico do segundo ano de residência em psiquiatria do Instituto Bairral, que destacou o modelo elaborado pela médica Elizabeth Klübler-Ross (1926-2004) e a importante diferenciação entre o luto em si (sendo saudável ou patológico) e o transtorno depressivo. Informações como a maior mortalidade entre indivíduos enlutados e abordagem de tipos de luto patológico chamaram a atenção pela importância prática que adquirem no cotidiano de profissionais de saúde.

Em seguida, a Dra. Viviane Franco, médica psiquiatra plantonista do Instituto Bairral e supervisora do ambulatório geral do CAPS-II Onofre Batista, convidou a todos para uma reflexão acerca da dificuldade em falarmos sobre a morte e sobre as ditas situações-limite, vivências estas que todos atravessaremos, porém causadoras de tanta aflição e evitação por parte da maioria de nós. A Dra. Viviane abordou ainda o crescimento pós-traumático, que permite ao indivíduo um maior desenvolvimento e adaptação em sua vida.

A atividade ainda foi enriquecida pela grande participação dos presentes, com relatos emocionantes sobre casos acompanhados na prática clínica e reflexões relacionadas.

Dr. Rafael Pereira, médico do segundo ano de residência e Dra. Viviane Franco, médica psiquiatra do Instituto Bairral.

Dr. Rafael Pereira, médico do segundo ano de residência e Dra. Viviane Franco, médica psiquiatra do Instituto Bairral.