Foto de: https://unsplash.com/

CEPAB – Diagnóstico e manejo do transtorno de personalidade borderline

6 meses atrás - Notícias, Eventos internos

A primeira das palestras mensais programadas para 2020 pelo Centro de Estudos Psiquiátricos Américo Bairral (CEPAB) ocorreu no dia 28 de janeiro no Centro de Educação Continuada do hospital e foi ministrada pelos médicos psiquiatras Drs. Alexandre Portaro Tzermias, Larissa Fusco Fares e Pedro Henrique Martins Piloni, todos do corpo médico do Bairral. O tema abordado foi “Diagnóstico e manejo do transtorno de personalidade borderline”.

O transtorno de personalidade borderline (TPB) é um transtorno psiquiátrico caracterizado por intensa oscilação emocional, impulsividade, dificuldade nos relacionamentos interpessoais e por vezes autolesão (automutilação, por exemplo) e tentativas repetidas de suicídio. Os que sofrem com este problema foram comparados a pessoas com queimaduras de pele cobrindo quase todo o corpo por uma das maiores estudiosas em tratamentos para a condição, a Dra. Marsha Linehan, criadora da Terapia Comportamental Dialética (DBT ou Dialectical Behavior Therapy do inglês). Emocionalmente, elas reagem com intensidade aos menores estímulos (assim como um paciente com queimaduras extensas que sente dor a qualquer pequeno estímulo em sua pele) e acabam por viver um verdadeiro “inferno emocional”, como explica a Dra. Linehan.

Por muitas décadas o TPB foi considerado intratável, e gerou e continua gerando as mais diferentes reações em profissionais de saúde mental. Apesar de há mais de 20 anos estarem disponíveis terapias e tratamentos especializados com evidência científica de eficácia (p. ex., a DBT e o GPM – Good Psychiatric Management ou “bom manejo psiquiátrico”), ainda há muitos profissionais que desconhecem estas técnicas e continuam a considerar essas pessoas intratáveis.

A DBT é uma psicoterapia de base comportamental especializada no tratamento da desregulação emocional e do TPB. A grande revolução trazida pela DBT para o tratamento destes problemas foi a introdução de técnicas de aceitação (como o Mindfulness ou atenção plena) e uma visão dialética, além da utilização das técnicas de mudança da análise do comportamento de B. F. Skinner.

O GPM é uma abordagem de fundamento teórico eclético desenvolvida por John Gunderson para ser utilizada pelo generalista (psiquiatra, psicólogo e outros profissionais que trabalham com pacientes com TPB), é de base psicodinâmica e enfatiza a psicoeducação e adaptação social dos pacientes.

A palestra teve dois objetivos: primeiro, esclarecer sobre o diagnóstico de TPB e a possibilidade de melhora com o tratamento correto; segundo, delinear brevemente os princípios de duas das principais técnicas utilizadas com sucesso e baseadas em evidência para o tratamento, a DBT e o GPM.

Psiquiatras Pedro, Larissa e Alexandre

Psiquiatras dr. Pedro, dra. Larissa e dr. Alexandre