Bairral realizou VII Campanha de Saúde Bucal

5 anos atrás - Bastidores

O Departamento de Odontologia do Instituto Bairral – Odonto Bairral – realizou dia 18 último mais uma Campanha de Saúde Bucal, a qual teve como tema “Dente doeu ou quebrou: o que fazer?”. O evento foi direcionado a todos os colaboradores da instituição e contou com palestra, entrega de kits de higienização e consulta clínica aos interessados para orientação e diagnóstico de cáries e doenças da gengiva.

A palestra foi estruturada de modo a tirar as principais dúvidas de alguém que está com dor de dente (odontalgia) ou sofre acidente e quebra um ou mais dentes; em alguns casos, o dente pode sofrer avulsão, ou seja, sair por completo de dentro do alvéolo.

Dor de dente (odontalgia)

Normalmente a dor de dente está relacionada com a presença de cárie, doença infecciosa provocada por bactérias que agem desmineralizando o esmalte dentário em presença de açúcar. Abscessos na gengiva provocados por problemas de canal ou resultantes de inflamações na gengiva (doença periodontal) também costumam ser muito dolorosos, necessitando que sejam drenados para que a dor seja aliviada.

Quando a cárie dental é superficial, ou seja, comprometendo apenas o esmalte dentário, nem sempre a dor está presente; quando é de profundidade média, a dor pode acontecer na presença de gelado ou alimento doce. A dor espontânea e/ou provocada por quente pode ser sinal de que a inervação do dente foi atingida por bactérias, necessitando, portanto, ser removida através de tratamento de canal.

Dentes fraturados

No caso de fraturas dentárias, dependendo da sua extensão, o fragmento pode ser reposicionado no local com a ajuda de resinas foto-polimerizáveis, ou o dente ser recuperado apenas com este material. Porém, dependendo da fratura, há necessidade de se optar por próteses, com ou sem pinos intra-radiculares. O implante dentário passa a ser uma opção quando a raiz remanescente não suporta mais retentores, tendo, portanto, que ser extraída.

Avulsão dentária

A avulsão dentária acontece quando, após um acidente, o dente sai por completo do alvéolo. O ideal é que, nessas situações, ele seja imediatamente recolocado no local; contudo, se isso não for possível, deve então ficar acondicionado em soro fisiológico ou leite até que o dentista faça o procedimento. Quanto antes o dente for reimplantado melhor será o resultado, sendo que o tempo entre o acidente e sua recolocação no alvéolo nunca deve ser superior a trinta minutos.

Dicas para mamães

A palestra ainda mostrou dois vídeos de renomados dentistas na área de Ortodontia e de Odontopediatria. No primeiro, a especialista comentou os malefícios provocados nas arcadas dentárias pelo uso da chupeta e do hábito de chupar o dedo, estabelecendo os três anos de idade como sendo o limite para uma criança deixar a chupeta. No outro, a abordagem foi sobre os acidentes que podem acontecer com crianças e o que pode ou não se fazer nesses casos.

O que fazer depois da extração do dente do siso?

No final da palestra a discussão ficou por conta dos cuidados a serem tomados após extrações dentárias, especialmente os terceiros molares (dentes do siso), cuja cirurgia às vezes costuma ser muito traumática, mesmo quando realizada por hábeis profissionais. Nesses casos deve-se evitar a ingestão de alimentos quentes, principalmente nas primeiras 24 horas, não se expor ao sol, tomar corretamente os medicamentos indicados pelo profissional, escovar os dentes com cuidado para não retirar o coágulo da ferida, fazer dieta pastosa durante alguns dias, dormir com travesseiro alto e, se possível, repousar.

Dentista do Instituto Bairral Antonio Carlos Crivelaro, ministrando a palestra “Dente doeu ou quebrou: o que fazer?”.

Dentista do Instituto Bairral Antonio Carlos Crivelaro, ministrando a palestra “Dente doeu ou quebrou: o que fazer?”.

Funcionários do Instituto Bairral presente na palestra “Dente doeu ou quebrou: o que fazer?”.

Funcionários do Instituto Bairral presente na palestra “Dente doeu ou quebrou: o que fazer?”.